Relíquia

E hoje eu estava em casa, rodeada pelos meus móveis da Ikea, e me peguei pensando nele.

Uma estranha vontade de abraça-lo passou pelo meu peito e me deparei querendo conversar com ele, sentir seu cheiro, trocar confidências. Foi um sentimento esquisito, mas tive a impressão de que ele me conhece melhor do que ninguém, pois sempre esteve lá.

Lembrei as inúmeras discussões que o bendito causou. Do meu pai revirando os olhos e dizendo para minha mãe jogar aquilo fora; que não tinha espaço em volta da mesa por causa do tal armarinho azul. E, então, a mãe já batia o pé e dizia o quanto ela amava aquele armário, que ela nunca iria se desfazer dele, que ele não era azul originalmente e, então, ela já engatava a famosa história da relíquia.

Tudo começou na casa da minha avó materna, quando ela ganhou (se não me engano) o tal armário no Clube de Mães. Por mais que tenha ouvido o relato milhões de vezes, não lembro ao certo se ia para o lixo ou só estava sem serventia, mas sei que minha mãe arrecadou o armário de portinhas de vidro para ela. Naquela época ela e meu pai ainda eram namorados e ela sempre contava que os dois reformaram a peça juntos, e o quanto ela gostou de fazer aquilo. Foi aí que o armário entrou para a família e passou a ser parte da nossa história. E ele ainda não era azul, era bege.

Lembro que na casa amarela ele ficava na sala, pertinho do toca discos. Toda vez que a gente dançava e pulava por perto o chão de madeira tremia, a agulha do toca discos vibrava, o pai lançava um olhar ameaçador (porque ia riscar o disco!) e dava para ouvir as taças e as portinhas de vidro do armário balançando. Parecia que ele dançava com a gente. Até hoje esse som me faz lembrar aquela casa. E nos vídeos dessa fase tão querida das nossas vidas ele está lá atrás, observando e absorvendo todos esses momentos, quietinho, mas ali.

Depois fomos para o apartamento e foi nessa ocasião que ele ficou azul! O pai deve ter pensado que ia se livrar da mobília, mas não deu outra: a mãe mandou fazer uma pátina (técnica de pintura muito utilizada na época – pelo menos lá em casa) e ele foi cuidadosamente realocado para a cozinha. Não demorou muito e nos mudamos de novo e ele foi parar no lugar onde está até hoje.

Ali ele presenciou os nossos almoços e jantares em família, em que a gente ficava conversando depois da comida. Era um tempo do dia sagrado para nós e a minha hora favorita do dia: sentar e conversar com as pessoas que eu mais amo no mundo. E ali a família estava completa: pai, mãe, irmã, eu e o armário azul.

Acredito que nenhuma mobília está há tanto tempo lá em casa quanto ele. Ele foi o único que permaneceu; do qual ninguém conseguiu se desfazer. Isso porque, se esse armário falasse, poderia contar a nossa história. Porque cada poro da madeira que o sustenta guarda uma lembrança. Porque não tem como olhar para ele e não recordar a quantidade de momentos, bons e não tão bons, que ele presenciou.

E agora eu olho para a minha casa, que mais parece um catálogo da Ikea, achando tudo tão sem graça e desejando que, no futuro, eu tenha um armarinho azul para admirar e para me fazer recordar os momentos que ainda estão por vir.

Anúncios

3 comentários sobre “Relíquia

  1. Lindo, Fê, ter história para contar é ter raízes, ter raízes é dar valor ao que nos toca ao que nos faz bem, ao que fez parte de nossas vidas, ao que fez presença discreta mas poderia contar as nossas vidas dia a dia. Bjs minha escritora preferida, Fica bem teu coração é iluminado
    .

  2. Acho que nunca parei para ter esse olhar para o armário
    Mas espero que ele fique contigo pois tem um carinho por ele
    E da valores as pequenas coisas
    É uma pena que não escrevas mais
    Tens um dom para escrever
    Beijos
    Parabéns

  3. Lindo Fernanda ! Senti na tua narrativa a importância das coisas que realmente são verdadeiras, aquelas que nos deixam boas e belas lembranças … Bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s